Assembleia Municipal debate expansão da rede do Metropolitano

A Assembleia Municipal de Lisboa reuniu no passado dia 16 de maio numa sessão que ficou marcada pelo debate específico sobre a expansão da rede do Metropolitano de Lisboa.

O líder do Grupo Municipal do Partido Socialista, José Leitão, abriu o debate lembrando que a realização deste debate sobre a expansão da rede de Metro só é possível, porque a rede não foi concessionada a privados, como pretendia o anterior governo de direita, tendo nesse mesmo período havido uma degradação continuada da prestação dos serviços, aumento dos tarifários com consequente diminuição da procura por parte dos cidadãos. Por outras palavras, o que se pretendia era criar condições para tornar socialmente aceitável a concessão a privados da gestão, como antecâmara para a sua total privatização. A existência de uma rede pública de transportes coletivos urbanos, é um elemento essencial para a satisfação de necessidades básicas de mobilidade por parte dos cidadãos. A gestão eficiente das redes de transporte coletivo deve, em nosso entender, passar pela otimização da utilização dos meios que lhes estão afetos, por potenciar a complementaridade entre os diversos modos e meios de transporte, evitando sobreposições redundantes, assegurar a diversidade de serviços por forma a responder às necessidades de deslocação de toda a população, e garantir uma integração tarifária acessível e simples, que tenha em consideração os estratos mais vulneráveis da sociedade, designadamente as crianças, estudantes, desempregados e idosos. Mais do que uma discussão centrada apenas na expansão da rede de Metropolitano, alicerçada em legítimos interesses locais, defendemos uma ampliação da rede, adequadamente financiada e devidamente programada e integrada, nomeadamente com a oferta da CARRIS, focada na garantia de uma mobilidade sustentável na cidade de Lisboa, complementar e sem redundâncias com os restantes meios e modos de transporte a nível metropolitano. Esta é a discussão que, responsavelmente, todos devemos fazer.

Por sua vez, o Deputado Municipal e Presidente da Junta de Freguesia de Campo de Ourique, Pedro Cegonho, interveio recordando que apesar de ser a primeira vez que fala do metro na Assembleia Municipal, mas há mais de dez anos que defende a expansão e desenvolvimento do Metro para a zona ocidental, incluindo, naturalmente, Campo de Ourique.
É fundamental continuar a trabalhar para garantir o financiamento nacional e europeu para as novas estações estudadas para as Amoreiras e para a Rua Ferreira Borges, no coração de Campo de Ourique, e para a zona ocidental, para entrarem menos carros nesta zona da cidade e para o metro ser, aqui, uma alternativa ao uso do transporte individual.

No final da sessão foi ainda aprovado um conjunto de Protocolos de Delegações de Competências com várias Freguesias.