Assembleia Municipal reúne pela última vez antes das eleições

A Assembleia Municipal de Lisboa reuniu no dia 5 de setembro, naquela que foi a última sessão antes das eleições, tendo a mesma ficado marcada pela apreciação da Informação Escrita do Presidente.

O líder do Grupo Municipal, José Leitão, fez a análise da última informação escrita deste mandato, lembrando que esta não se pode limitar ao cumprimento de um preceito legal.
Teremos em conta, naturalmente, as realizações referidas na informação, mas não podemos deixar de começar por dizer que fazemos um balanço extremamente positivo da gestão da equipa, atualmente liderada por Fernando Medina.
Lisboa vive um momento de grande desenvolvimento e de afirmação como cidade global. Nada disto é fruto do acaso, é consequência de ser bem governada, de ter à sua frente uma equipa que sabe o que é necessário fazer e executa-o com eficiência.
Não esqueçamos que há quatro anos a realidade era bem diferente, o país e a cidade enfrentavam uma recessão sem precedentes, um tempo de desesperança, de partida de muitos dos mais qualificados da nova geração. Lisboa não se resignou, seguiu uma política em contraciclo com a do país puxando pelas energias da cidade para a recuperação e o progresso.
As políticas públicas promovidas pela equipa liderada por Fernando Medina foram capazes de dinamizar a economia e o investimento, promoverem a solidariedade e os direitos sociais, afirmar um modelo de desenvolvimento sustentável, melhorando simultaneamente as contas da cidade. Estes resultados foram possíveis porque a gestão municipal soube mobilizar os cidadãos, as empresas, as universidades, os agentes culturais, a rede social, em suma a cidade, para enfrentar a crise e os desafios que colocava.

Mais tarde, no âmbito do debate de atualidade sobre Mobilidade e Transportes Públicos na Cidade de Lisboa, o líder do grupo municipal do PS, José Leitão, lembrou que debater o sistema de mobilidade e transportes públicos da cidade é acima de tudo, uma oportunidade para falar da visão que temos e do que queremos para a cidade de Lisboa.
Consideramos a existência de uma rede pública de transportes coletivos urbanos, um dos elementos essenciais para a satisfação das necessidades básicas de mobilidade por parte dos cidadãos.
Defendemos por isso, uma política de mobilidade verdadeiramente integrada, não só em termos territoriais, mas também no que se refere à complementaridade da oferta dos diversos meios e modos de transporte e à sua articulação com as restantes componentes do sistema de mobilidade.