Realizou-se no dia 14 de março uma reunião conjunta entre a 1ª Comissão Permanente de Finanças, Património, Recursos Humanos e a Subcomissão para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ).
O objetivo foi debater o Relatório sobre a JMJ 2023, apresentado pela Câmara Municipal de Lisboa (CML), no início do presente ano.
O deputado municipal socialista e presidente da Subcomissão, José Leitão, contrariou na sua intervenção, o que vem mencionado no relatório, sobre a ausência de trabalho desenvolvido pelo anterior executivo do PS.
Neste sentido, José leitão sublinhou que a equipa anterior deu um apoio claro e ativo, à realização da JMJ em Lisboa, ação reconhecido por várias personalidades e entidades.
A escolha do local foi articulada entre a igreja e o executivo anterior e o local foi definido como um espaço de futuro e verde.
Foi durante o executivo anterior do PS, que foram feitos os estudos necessários e preparado o solo, lançada a ponte ciclopedonal sobre o Rio Trancão e projetado o Altar Palco, entre outras ações.
A participação da CML, durante o executivo do Partido Socialista, foi determinante para a realização deste grande evento e por isso “falar de vazio de projetos, não é justo”, sublinhou o deputado José Leitão.
Nesta sessão, o vice presidente da CML Anacoreta Correia, respondeu às questões e criticas colocadas pelos deputados municipais, sobre as despesas, o retorno obtido para a cidade, entre outros esclarecimentos, sobre o maior evento realizado em Lisboa no ano de 2023 e que acolheu jovens de todo o mundo.
O Altar Palco e sua reutilização em eventos futuros, bem como o abuso ao recurso de ajustes diretos, foram questões, que o PS quis ver esclarecidas.

A Subcomissão irá preparar o relatório final, centrado na atividade que desenvolveu, no âmbito deste evento.

Siga-nos também no Facebook e Instagram.

 

Comments are closed, but trackbacks and pingbacks are open.